[ editar artigo]

Eflúvio Telógeno, você sabe o que é?

Eflúvio Telógeno, você sabe o que é?

Segundo a sociedade Brasileira de Dermatologia, Eflúvio Telógeno é uma condição que se caracteriza pelo aumento da queda diária de fios de cabelo e esse aumento normalmente é percebido pela paciente (cliente) principalmente com a quantidade de fios que caem ao lavar, pentear, superando uma quantidade que considerada normal entre 100 e 120 fios.

De acordo com a Dra. Fernanda Bebber Douat dermatologista, existem alguns fatores que podem desencadear o eflúvio telógeno e normalmente acontece meses antes do início da queda capilar, ela descreve algumas das possíveis causas:

  • Procedimentos cirúrgicos (especialmente bariátricas)
  • Uso de medicamentos
  • Distúrbios tireoidianos e hormonais
  • Deficiência vitamínica
  • Pós parto
  • Dieta restritiva
  • Dieta hiperproteica
  • Alterações no couro cabeludo (psoríase, dermatite seborreica, etc.).
  • Sinusite
  • Pneumonia
  • Febres
  • Gripes
  • Estresse

Em todos os casos diagnosticados, apenas 70% tem o agente causador descoberto, os 30% restantes acabam ficando sem o agente causador esclarecido.

O eflúvio se divide em dois grupos: Agudo e Crônico.

Eflúvio Telógeno Agudo: A causa está associada à algum evento que aconteceu três meses antes do início da queda, isso porque o período de preparo para a queda dura de 2 a 3 meses e o fio se desprende no final desse ciclo. Nessa fase a queda diária aproxima dos 300 fios a depender do paciente e da causa do eflúvio.

Eflúvio Telógeno Crônico: Nesta fase os fios caem em grande quantidade, é semelhante com a fase aguda, porém, em longo prazo.

Há um aumento de fios na fase de queda de forma cíclica uma ou duas vezes ao ano ou cada dois anos, isso depende de cada paciente. Conforme o tempo passa o cliente fica com o cabelo mais volumoso na base e com comprimento e pontas bem ralas. Se o paciente estiver somente nesta condição e não com eflúvio não ficará com cabelo ralo no couro cabeludo, porém seu cabelo pode estar associado a outras condições que causam rarefação dos fios. O problema nem sempre terá a causa definida, o que já se sabe é que normalmente está ligado a doenças autoimunes, sendo a tireoidite de Hashimoto a mais comum.

Sintomas: O principal sintoma é a queda aguda do cabelo, em alguns casos apresenta coceira no couro cabeludo, principalmente na região posterior.

Tratamentos: Segundo a Dra. Fernanda, o primeiro passo é identificar a causa ou agente causal, se há outras doenças associadas no couro cabeludo e a partir destas informações é que se define os possíveis tratamentos. A sociedade Brasileira de Dermatologia define eflúvio telógeno como autolimitado, ou seja, tem uma duração predeterminada de dois a quatro meses se não houver outra doença associada e de um dia para o outro melhora significativamente a queda sem que haja nenhuma intervenção no processo. Se o paciente apresenta alguma outra condição associada como alopecia androgenética (calvície) ou alopecia senil (rarefação que surge após os 60 anos), em geral costuma tratá-lo para que possa ter plena capacidade de recuperar o volume e comprimento dos fios.

É importante lembrar que não há tratamentos específicos e que cada caso será conduzido de acordo com o agente causador, podendo ser usado medicamentos estimuladores do crescimento, suplementos vitamínicos, shampoos, soluções de uso tópico. O tratamento deve ser conduzido por um dermatologista ou em conjunto com outros profissionais a depender da causa, como por exemplo nas causas de origem alimentar será o acompanhamento nutricional, o paciente precisa ser bem orientado para saber o que faz bem ao seu metabolismo e ciclo capilar.

É possível prevenir? Não é possível prevenir o eflúvio telógeno, porém em alguns casos o seu surgimento é esperado, como no pós-parto que é comum ocorrer a queda entre 2 - 3 meses após o parto (é a fase em que o conhecimento popular diz que o bebê passa a reconhecer a mãe, e por isso o cabelo cai, geralmente se estende até o quinto mês do pós-parto), o mesmo acontece em pós bariátrica ou dietas restritivas.

Conclusão:

Com base nos estudos realizados para a construção deste trabalho, ficou claro que o eflúvio telógeno é uma condição caracterizada pela perda aumentada e intensa do cabelo, que é provocada por vários fatores desde disfunção metabólica a dieta hiperproteica. Não há tratamento específico, e em alguns casos a recuperação pode acontecer de forma natural, sem que haja nenhuma intervenção profissional. É válido ressaltar que o cabeleireiro precisa estar atento às questões que envolvem a saúde do cabelo e couro cabeludo da sua cliente, uma vez que este é o primeiro profissional que normalmente é procurado quando surge algum desconforto, embora não cabe à este o tratamento e a medicação, porém, é ele quem vai orientar a cliente a procurar ajuda médica.

 

REFERÊNCIAS:

Eflúvio telógeno; disponível em:

 

Acesso em: 28/07/2020.

Eflúvio Telógeno – Sociedade Brasileira de Dermatologia; disponível em:

https://www.sbd.org.br/dermatologia/cabelo/doenças-e-problemas/eflúvio-telogeno/56/

Fonte de imagem:

https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fwww.cadernow.com.br%2Fsem-categoria%2Fefluvio-telogeno-um-tipo-comum-de-queda-capilar%2F&psig=AOvVaw14U4Q2AM82YHM6IoEH_0cq&ust=1596040413230000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCLinr4Gw8OoCFQAAAAAdAAAAABAD

Educadores da Beleza - Comunidade de Colorimetria Avançada
Ler conteúdo completo
Indicados para você