[ editar artigo]

Como produzir uma coloração ou tonalizante no salão??

Como produzir uma coloração ou tonalizante no salão??

Um dos mais importantes momentos do curso online, no módulo da Matemática da Colorimetria, é quando falamos como você, profissional cabeleireiro, pode preparar no salão aquela cor que falta no  estoque: a Regra do 11.

Você ja deve ter ouvido falar nessa regra, pois facilita - e muito - a vida do profissional Colorimetrista. Resolvi contar o princípio dessa regra fantástica que somente um colorimetrista conhece.

Como eu sou o responsável por contar os segredos desse momento no curso online, sei que surgem dezenas de perguntas. Vou explicar algumas delas nesse post, mas se ainda tiver alguma dúvida sobre esse assunto, peço que escreva aqui nos comentários.

O que vou explicar aqui é complexo, mas depois que entende percebe que é muito prático!

É importante que você tenha em mente o raciocínio matemático, por isso preste atenção.

Só mais uma lembrança antes da conta. Este é um método muito usado para produzir as cores intermediárias! Estas são conhecidas por sua proximidade, numa mistura que produz a cor que falta. 

Vou usar um exemplo,  você precisa da coloração 7.0 e não tem... Mas tem a 6.0 e 8.0, então pense assim:

6.0+8.0= 14.0 ÷2= 7.0

Essa mistura proporciona uma mistura plausível, com cores intermediárias, não cores distantes como:

5.0 + 9.0= 14.0÷ 2 = 7.0

Sabe por que essa conta é impossível? Pois o 5.0 é uma cor muito mais escura quando comparada com o 9.0, por isso não será suficiente para chegar a um tom claro.

Precisamos sempre ficar atentos às receitas que ensinam contas mirabolantes pra conseguir cores simples...

Lembrando a operação só funciona com cores com reflexos iguais, como 6.0+8.0= 7.0 ou 3.0+5.0= 4.0  ou 5.1+7.1= 6.1 ou 7.3 + 9.3 = 8.3

Se forem cores diferentes não teremos o resultado certo!

 E se tivermos valores diferentes, como 5.43+7.1 e 8.4+10.1 o que fazer?

Bom, então  vamos ao assunto em questão...

Regra do 11, a matemática da criação de cores

Sabemos que as colorações principais vão de 1.0 a 10.0, certo? Dentro dessa numeração temos a variedade cores bases e seus reflexos.

Os reflexos, de um modo geral, padronizado pela Colorimetria, são:

0.1 = Cinza        

0.2 = Violeta ou irizado

0.3 = Dourado ou amarelo

0.4 = Cobre ou laranja

0.5 = Acaju 

0.6 = Vermelho

0.7 = Marrom

0.8 = Azul

0.9 = Cendre

Por termos números de 1 a 10 criou-se o padrão de 11, pois dentro do 11 temos as 10 cores da cartela.

As cores naturais (bases) vão somente até o 10 assim para criar a base mais clara que é o 10 precisamos contar somente até o 11, pois seria 10.0 + 1 grama de cinza para criar 10.1 

A regra consiste em contar a altura que tem até o 11 o número que der a a quantidade em gramas do corretor.

Imagine a situação: Há uma cliente na cadeira e o seu desejo e/ou necessidade  é a cor 7.3. Ao abrir seu armário, você se depara com a seguinte situação:  Não tem o 7.3! E agora o que fazer? 

1a opção 

Use a matemática das cores intermediárias...

Se não der, porque você não tem as cores próximas, procure por alternativas... Se você tiver o 7.0 e o corretor ou mix 0.33 ou dourado, é possível! Então começamos a matemática da seguinte forma:

Para a regra do 11, pense o quando falta do 7 para 11 = 4

Para produzir o 7.3, será necessário 4 gramas de corretor ou mix 0.3 ou 0.33 misturados a 60 gramas ( 1 tubo) e o resultado será o 7.3.

Conseguiu entender? 

2a. opção

Você precisa do 6.4 e não tem as cores próximas para se valer da matemática das cores intermediárias... Mas olha que bom, você tem 1 tubo de 60 gramas de 6.0 e o mix ou corretor 0.4 ou 0.44 cobre ou laranja.

Use a conta do mesmo jeito do exemplo anterior, o que falta do 6 para 11 = 5

Para 60 gramas de 6.0, acrescentamos 5 gramas de corretor ou mix 0.4 ou 0.44 cobre ou laranja e o resultado será  o 6.4!

E assim acontece em vários casos...

3a. opção

E se eu tenho um caso onde a cor tem 2 ou 3 reflexos?

Aqui vai um alerta: A REGRA DO 11 FOI CRIADA PARA PRODUZIR CORES COM 1 REFLEXO, APENAS.

Precisamos criar outra operação matemática para solucionar esse caso, utilizaremos um caminho diferente... Se precisarmos da cor 6.43 e não a tivermos, precisamos entender as proporções (pois cada cor com 2 ou 3 reflexos tem reflexos em proporções diferentes).

Para o conhecimento de todos, as colorações e tonalizantes -quando saem da fábrica - ficam na seguinte forma:

Cores com 1 reflexo

        6     .    4

      70%     30%

Cores com 2 reflexos.

        6      .     4             3

      50%       30%       20%

Cores com 3 reflexos

        6       .      4               3              6

      40%         30%         15%        15%

 

Ao produzir cores no salão, precisamos entender que a base sempre será a direção da cor. Servirá como guia para sabermos a quantidade, em gramas, para produzir uma cor que falta no nosso estoque.

Baseado nesse termo, vamos agora produzir a cores com 2 e 3 reflexos que precisamos e não temos:

A proporção das cores produzidas no salão se apresentam com a base. Nesse momento, ela se torna nula, por isso transformamos os reflexos em 100%. No caso da cor com 2 reflexos, teremos 60% no 1º reflexo e 40% no 2º reflexo.

A cor em questão é o 6.43 ( louro escuro cobre dourado) De 6 para 11 falta 5, precisamos então de 60 gramas de 6.0.

Aqui já temos que anular a porcentagem da base e usar a equação matemática de proporções:

5 gramas ( quantidade total necessária de corretor ou mix)  X 60% ( 1º reflexo = 3.0 gramas de corretor .4 cobre (1º reflexo)

5 gramas ( quantidade total necessária de corretor ou mix) X  40%   ( 2º reflexo = 2.0 gramas de corretor .3 dourado ( 2º reflexo)

5 gr  X   60% = 3.0 gramas de corretor ou mix .4

5 gr X    40% = 2.0 gramas de corretor ou mix  .3

 60 gramas de 6.0 + 5.0 gramas de .43 = 6.43

Vamos agora produzir a cor 8.89 

8 para 11 = 3

3 gr X 60% = 1.8 gramas de corretor ou mix .8 azul

3 gr X 40% = 1.2 gramas de corretor ou mix .9 cendre ( azul, verde e violeta)

Nesse caso, colocamos em uma cumbuca separada meio grama de cada um desses corretores, misturamos e retiramos apenas a quantidade necessária para a mistura - que nesse caso é 1.2 gramas.

Então:

60 gramas de 8.0 + 3 gramas de .89 = 8.89

Agora, lembre novamente que a proporção das cores produzidas no salão se apresentam com a base nula, e somos nós que transformamos os reflexos em 100%.

Onde a cor com 3 reflexos teremos 40% no 1º reflexo,  30% no 2º reflexo e 30% no 3º reflexo.

A cor em questão é o 6.436 ( louro escuro cobre dourado vermelho)

Volta pra Regra do 11: 6 para 11 = 5

Precisamos de 60 gramas de 6.0, que já temos que ter pronto, por isso anulamos a % da base e usamos  a equação matemática de proporções:

5 gramas ( quantidade total necessária de corretor ou mix)  X 40% ( 1º reflexo = 2.0 gramas de corretor .4 cobre (1º reflexo)

5 gramas ( quantidade total necessária de corretor ou mix) X  30%   ( 2º reflexo = 1.5 gramas de corretor .3 dourado ( 2º reflexo)

5 gramas ( quantidade total necessária de corretor ou mix) X  30%   ( 3º reflexo = 1.5 gramas de corretor .6 vermelho ( 3º reflexo)

5 gr  X 40% = 2.0 gramas de corretor ou mix .4

5 gr X  30% = 1.5 gramas de corretor ou mix  .3

5 gr X 30% = 1.5 gramas de corretor ou mix   .6     

Então: 

60 gramas de 6.0 + 5 gramas de corretor .346 = 6.346.

Viu? Bem-vindo ao mundo da Matemática da Colorimetria!

OBSERVAÇÕES:

- Esta regra é para usar em casos de emergência, é importante ter as cores em estoque.

- É imprescindível ter uma balança de precisão. 

Colorimetria exige raciocínio constante, exercite!

Comente! Ah, se você ainda não me segue, basta clicar ali acima, nos vemos em breve.

 

 

 

Educadores da Beleza - Comunidade de Colorimetria Avançada
Osvaldo Morroni
Osvaldo Morroni Seguir

Cabeleireiro - AJ Hair Studio

Ler conteúdo completo
Indicados para você